segunda-feira, 28 de outubro de 2019

DESESPERADO, MAS NÃO DESESPERANÇADO!




Às vezes nos encontramos tão desesperados que esquecemos que haverá um final para toda crise, e depois do final, há a grande possibilidade de recomeço. Recomeçar para fazer certo, recomeçar para retomar os sonhos que deixamos enferrujar. É sempre bom lembrar que há uma grande diferença entre o desespero e a desesperança. Desespero é aflição em forma de um cansaço existencial, alguém desesperado está à beira da loucura.

A desesperança é diametralmente diferente ao desespero, porque ela se torna uma inatividade, gera uma falta de brilho nos olhos, tirando-nos o foco do futuro. Na desesperança a gente sofre sem saber o que especificamente nos faz sofrer. A desesperança é um desestímulo e faz com a gente fique na passividade em relação ao presente e faz com que desprezemos tudo o que se diz ao futuro. É aí que num momento de sobriedade, das três virtudes cristãs, a fé, esperança e amor, vamos ter que nos apegar ao que mais precisamos hoje: a esperança.

Nessa madrugada lendo Atos dos Apóstolos, deparei-me com um episódio na vida Paulo que se enquadra bem nessa introdução acima. Paulo está numa viagem, ele não tinha milhagem e nem ia de primeira classe, antes, era conduzido a Roma como um prisioneiro. De repente, o navio se destroça e de imediato a intenção dos soldados era que todos presos fossem mortos, para que nenhum deles pudesse empreender fuga nadando, conforme Atos 27.42 "Os soldados queriam matar os prisioneiros para que não nadassem até a praia e depois fugissem".

Que situação Paulo estava experimentando. O navio foi a pique, e a chance de fugir seria coibida pelas espadas dos soldados, isto significava que nem mesmo o naufrágio criava a possibilidade de serem livres, então é aqui que se consolidou a perda de "toda a esperança"  já prevista no versículo 20.

Trazendo para a vida prática de hoje, podemos afirmar que há uma multidão incontável que já não tem mais esperança, aliás, vivem sem esperança, sem um sonho, sem um projeto de vida, são reféns da prisão chamada drogas, estão ainda acorrentados na escravidão do pecado, não conseguem tirar nem dos lábios a enfermidade, antes só confessam destruição, a primeira dor de estomago já imaginam como dizem eles, ai é úlcera, câncer, ai eu estou com as dez pragas do Egito. Gente que não acredita mais na esperança.

Agora, sinceramente, e nós que temos a esperança viva em nós, o que temos feito, chegamos à igreja e dizemos: tem pouca gente hem? Mas o que temos feito para mudar o quadro. Quanto tempo semanal temos tirado para levar a esperança aos desesperançados? Andamos com um folheto de evangelização na mão? Oramos quanto pelos perdidos? A nossa atitude de crente está gerando expectativa no incrédulo de conhecer a esperança? Qual foi a ultima vez que falamos de Jesus para alguém? A falta de ocupação nossa com o que é secular tem tirado a oportunidade de algum desesperançado retomar a esperança em Jesus.

O vs 37 de Atos 27 diz que havia naquele navio 276 pessoas. Estavam a bordo duzentas e setenta e seis pessoas. Já assistiu a cena de alguém no meio de uma tempestade, o desespero é grande, imagine 276 pessoas que experimentaram a fúria do Nordeste (ou Euro-Aquilão), um tufão de grande proporção que se abateu sobre o navio e isto gerou naquelas vidas a perda da esperança. Pelas circunstâncias não tinha como eles verem uma saída para escaparem com vida. O parecer geral era que nunca se livrariam daquele drama.

Estavam tão sobressaltados com o ocorrido, com a ansiedade que segundo Atos 27:33-36 a falta de esperança de um livramento, isto é de sair com vida daquela situação, que por 14 dias nem comer queriam aqueles homens. Pouco antes do amanhecer, Paulo insistia que todos se alimentassem, dizendo: Hoje faz catorze dias que vocês têm estado em vigília constante, sem nada comer. Agora eu os aconselho a comerem algo, pois só assim poderão sobreviver. Nenhum de vocês perderá um fio de cabelo sequer. Todos se reanimaram e também comeram algo.

E então Paulo cheio do Espírito Santo tomou pão e deu graças a Deus diante de todos e começou a comer. Um ato  restaurador dos ânimos para crerem que o livramento estava chegando. E atitude dele foi simples, partiu um pão e Deus graças na presença de todos.

Quantas vezes perdemos oportunidade de quando estamos com colegas da escola, da faculdade e do trabalho e nos assentamos a comer e esquecemos-nos de dar graças pelo que temos a mão para comer. Isto revela falta de fé, falta de testemunho, e a pessoas só recobram a esperança quando veem alguém do grupo externar a fé e confiança no Senhor. Quando assim agimos exteriorizamos a certeza do livramento, pois Deus é quem cuida de nós.

Então praticamente tudo estava perdido, mas dentre aqueles homens havia um temente a Deus, e quando ninguém mais cria, porque diz o texto no VS. 20 que a esperança se dissipara. Para aqueles náufragos não havia outra confissão. Já era. Mas Paulo temente a Deus e conhecedor do que Jesus é capaz de fazer traz uma declaração que abre a porta para que a esperança volte àqueles varões.

Uma pergunta se faz necessário: QUEM É O SEU DEUS? QUAL É O DEUS A QUEM VOCE SERVE? Não é difícil dizer que serve a Jesus e que é propriedade dele, mas o que realmente tem feito por Jesus, pela sua causa? Porque a sua vida não é entregue totalmente a Jesus? Parece que Jesus está inscrito no programa “Sua alma, minha vida” e está pulando miúdo para conseguir todos os requisitos para possuí-la. Por quê? Porque loteamos o nosso coração. Um quarto para isto, outro pedaço para aquilo e Jesus passa habitar em comodinho do fundo, no meio de tanta bagunça. No meio de tanta porcaria que injetamos pelas principais portas de entrada do nosso corpo, mais acentuadamente os olhos e ouvidos.

Creio que você não experimentou um naufrágio, mas com certeza já teve dias obscuros onde parecia mesmo que o sol não havia brilhado. De igual forma noites infindáveis de intensas trevas atravessamos sem experimentar nem sequer o brilho de uma estrela só. Quantas também não foram as tempestades que nos sobreveio, entretanto nós temos tido a felicidade de termos a esperança fundamentada, e se para você parece não haver mais esperança, nós queremos orar por você para que Cristo seja sua eterna esperança.

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

A PRIMAVERA DE 1974 COMEÇOU EM NOVEMBRO...para mim!




A ideia de primavera desperta em cada um a expectativa de novas perspectivas pela visão multicolorida que ela nos proporciona. O verde está mais verde, e o colorido parece ter sido retocado pelas mãos do Criador. É lógico que saímos de um inverno  que não fez frio, porém deixou marcas de um estio bravo com muito focos extremamente secos e gerando grande facilidade para queimadas, o que pigmenta de cinza com a fumaça que exala das queimadas que não são poucas. Mas, em compensação  as cores da primavera agora vem embelezar o nosso habitat.

Quase que anualmente neste período sou arremetido a pensar no tempo da minha infância e adolescência e mais diretamente nas primaveras que experimentei por aqueles idos. Eram diferentes? E porque não seriam? Pelo menos as cores sobejavam por todas as cercanias de onde eu residia. Até quase doze anos morando em Itapira, os bairros dos Prados, o Parque Juca Mulato, a descida para o Cubatão, o alto da Santa Cruz nas imediações da Avenida Pauletti, lugares por demais floridos com suas encantadoras arvores. Depois dos doze até os dezesseis anos, a Avenida Altino Martini, imediações do Restaurante Peixada e Jangada. Os campos do Dr.Mello, e o caminho interno Vila Champion-Mogi Guaçu via varjão da Martini. Particularmente residi no Solar dos Caldeiras, uma família maravilhosa de São Paulo, e ali também as flores eram depois dos Caldeiras, as mais belas obras da mão do Criador.

Algumas cores das minhas primaveras infanto-juvenis ainda estão patenteadas em minha memória com translúcidas lembranças. Lembro-me do denotado colorido dos ipês roxo e amarelo, da encantadora buganvília, trepadeiras ornamentais que demarcam a primavera e são nativas do Brasil. Não consigo esquecer do pau-brasil, com flores de uma amarelo-ouro que desabrocha de forma esplendorosa em setembro e outubro, e mais particularmente não consigo esquecer do pau-brasil que tinha plantado no centro entre a praça Mal.Candido Rondon e Av.Sargento Aviador Osvaldo Fernandes, ali naquela praça lembro me do pároco René fazia sua leitura e meditações andando ao derredor daquela bela árvore de Pau-brasil.

(algumas imagens modernas, já que as que tinha foram tiradas com uma polaroid(a estrela daquele tempo 62-66) e só tem o papel film, as cores o tempo comeu).
bunganvilia

ipê amarelo

ipê roxo

pau-brasil

Bem, saudosismo a parte voltemos à primavera na sua essência. Como estação diria que ela consegue transpor os stresses cotidianos do rush moderno imposto pela extrema necessidade da luta pela sobrevivência. Quem sabe mesmo a primavera consegue mover o nosso interior, despertar a nossa alma para ver a beleza das cores e de que como Deus não poupou suas tintas divinas para despertar a natureza. Aliás, penso que se o homem não tivesse caído em Genesis 3, a primavera seria a nossa única estação. Então a degradação ecológica não é de agora, mas remonta ao tempo da inocência. Quem sabe seja ela existente mesmo para mostrar ao homem a possibilidade da restauração da vida. Afinal, padecer sob rigoroso inverno ou causticante verão ou ainda ver o cinzento chicote do vento do outono, que tudo  desfolha  e descolore, nos faz pensar como seria melhor vivenciarmos só a primavera, mas tudo é escolha, assim então, foi a escolha do homem.

Primavera sempre falou comigo sobre nova oportunidade, novo tempo, novo inicio, afinal observe na primavera a vida é pintada nas cores, o frescor das flores exalando o perfume, tudo vindo da terra de onde a vida brota e provoca nos pássaros suaves cantos. Salomão registrou com sabedoria no livro de Cantares algo precioso: “Olha e vê que o inverno já passou; a chuva cessou e já se foi. Aparecem as flores na terra; chegou o tempo de cantar; já se ouve o arrulhar da rolinha em nossa terra.” (Ct 2:11-12 Bíblia Século 21). Isto era uma figura de Cristo falando à sua noiva, a Igreja. Mas, é bem propício para este tempo também empregar estas palavras, afinal como temos visto tanta gente vivendo um infindável inverno de lutas, dores e problemas.

Mas, como é liberador saber que Deus é especialista em fazer cessar o inverno que fere e trazer a primavera em cada vida dos que o seguem. Quando as janelas do nosso coração estão abertas isso é um passo de fé, porque por certo do lado de fora Deus já transformou a paisagem. Isto aconteceu comigo, pode acontecer com você. Houve um período tão desalentador na minha vida que tudo era cinza, não havia cores, não havia sonhos, nem paz e alegria.

Mas em 1974, em novembro de 74, eu rompi uma marcha de fé, e saí do tenebroso inverno para uma primavera onde vi renascer a vida e alegria de viver. É lógico que independente de ter me tornado tão hermético com relação à vida, porque a primavera estava lá fora, linda, florida, exuberante, mas eu estava preso a sentimentos ruins, até eu abrir o coração e a semente da vida entrou: Jesus Cristo.

Lembre-se do titulo desta postagem: a primavera de 1974 começou em novembro...e nunca mais acabou para mim. Quem experimentar isto também? Abra seu coração para Jesus, com Ele a primavera dura sempre. 

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

ROQUEIRO SE CONVERTE COM O FOLHETO SINOS DO INFERNO.




Frente e verso do folheto Sinos do Inferno que hoje é uma raridade. Publico por aqui para quem quiser reproduzir


"Porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo." João 12:47


Vilmar De Campo era conhecido como Ozzy tamanho seu envolvimento com as drogas e o rock metálico. Naquela época era pouco conhecido o heavy metal na região, mas Vilmar era um dos mais envolvidos com o alucinante ritmo. Infiltrado no mundo das drogas, tornou-se um ícone na cidade de Mogi Mirim e passou a ser chamado como já dissemos de Ozzy, (uma alusão a Ozzy Ousborne). Totalmente dependente, apesar da euforia do rock Vilmar vivia uma crise existencial tremenda, primeiro pelo uso e abuso das drogas e segundo pela sensação de vazio e vida sem sentido que experimentava.

Aficionado também em encanações apocalípticas em decorrência das músicas que versejavam sobre o fim do mundo, número da besta, a besta, e músicas que falam em anjos, luz, salvar o mundo em um tom místico, Vilmar se embrenhou cada vez mais com shows de rock pesado, sendo inclusive detido no Rock in Rio.

Vilmar antes da conversão, gesto censurado por respeito

A forma que Vilmar foi alcançado era no mínimo "suis generis" e mostra a força e poder de um folheto de evangelização. 

Acostumado a distribuir folhetos específicos sobre rock e drogas, entreguei um deles que versava sobre uma polêmica música Hells Bells (sinos do inferno) da banda AC-DC, para um jovem nas imediações da Rodoviária de Mogi Guaçu. 

O jovem dado também as drogas me disse: "valeu mano véio, eu tava na maior precisão de uma seda" (papel para enrolar maconha), valeu mesmo.

Confesso que fiquei um tanto chateado no momento, mas o que eu não sabia é que Deus tinha um plano para aquele folheto.


"Bola" era o apelido do jovem. E ele apanhou o ônibus e foi para Mogi Mirim, direto no amigo de consumo, o Vilmar. Chegando lá disse: "Ozzy, achei um pastor mais louco que nós dois. Olha o papel que ele me deu, vamos enrolar um fino aqui e puxar".


E Vilmar pediu para ver o folheto. Leu. Releu. Chamou sua atenção e resolveu guardá-lo. E mais tarde também resolveu procurar quem distribuiu o folheto.

Então marcamos uma reunião com os jovens da Equipe Paz e Vida para responder suas perguntas. Glória a Deus! O peixe de alto mar mordeu a isca. Vilmar tinha um Maverick amarelo-cheguei e um cabelão de roqueiro. 

Veio por diversas vezes e o atendemos. Mostrou-se satisfeito com as respostas. Mas parece-me que já tomou um contra-ataque em uma dessas vindas para Mogi Guaçu: Bateu o seu precioso Maverick. 

Mesmo assim continuou a frequentar as nossas reuniões. O Centro de Recuperação ainda estava em construção e Vilmar foi tratado mesmo na base do aconselhamento. Ele sempre fazia perguntas do tipo "pinga-fogo", e com amor, muita atenção,  ele foi cedendo até que chegou o dia  que se entregou.


Vilmar estava tão convicto do novo caminho abraçado que em 1986 participou e testemunhou na exibição do filme A Cruz e o Punhal no Ginásio Alexandre Augusto Camacho (o Camachão) em Mogi Guaçu, onde naquela noite um público de mais de 4.000 jovens assistiram àquele glorioso evento.

A Cruz e o Punhal, um filme baseado no livro de mesmo nome, de autoria do saudoso Pastor David Wilkerson, tem sido inspiração para a manutenção e sequência do nosso trabalho na área de prevenção ao uso indevido das drogas.


A conversão de Vilmar foi algo inusitado na região. Todos conheciam e sabiam bem que era o "Ozzy", o "bicho" que trocou as drogas pela Palavra de Deus. Em um memorável culto, numa igreja simples, pequena como é a Missão Paz e Vida, Vilmar se rendeu aos pés de Jesus. 

Não muito tempo depois descia as águas batismais. Mais um tempo, e por sua fidelidade discipular, foi consagrado ao santo ministério da Palavra e agora se tornava o Pastor Vilmar de  Campo. 

O ato solene da consagração de Vilmar ao pastorado foi  simples, mas de uma conotação profética abrangente.

Consagração de Vilmar ao Pastorado na Rua do Mirante

Com Vilmar, um grupo de irmãos de Mogi Mirim que frequentava em Mogi Guaçu  por simpatia a igreja local, a liderança da Missão Paz e Vida designou o Pastor Vilmar Dacampo para assumir a congregação de Mogi Mirim, e junto com  outros seis irmãos, iniciaram um trabalho na Rua do Mirante, num pequeno salão. 

Daí, o Senhor o fez prosperar em um trabalho de grande alcance de almas. Vilmar saiu da casa da dezena para a centena, tão logo mudou-se para a Rua Achiles Albano na Santa Cruz. 

Dali percorreu o caminho da conquista do primeiro milhar de pessoas, instalando-se agora na Rua Retirada da Laguna, no Mirante.

Vilmar consagra o vinho da 1a. Ceia em Mogi Mirim
Como escritor, publicou seu primeiro livro intitulado "A GLÓRIA DA CRUZ", ali transcreveu o seu milésimo sermão pregado em 23 de novembro de 2006, comemorando 20 anos de ministério pastoral e 40, de idade. 

Isto realmente foi uma conquista tremenda, afinal, além de manter-se firme e distanciado das drogas, Vilmar casou-se, constitui família e estabeleceu uma Igreja sólida. E com isto, sob as bênçãos do Pastor Vanelli e Pastora Sara, tornou-se o superintendente do campo missionário de Mogi Mirim, abrangendo outras cidades como Itapira, Americana, Pedreira, Santa Cruz das Palmeiras, Casa Branca, Londrina e Cianorte. Daí, a razão de ter se tornado Bispo Vilmar,  pois Bispo é o superintendente de uma região eclesiástica, no caso, o campo missionário de Mogi Mirim).

Capa do 1o.Livro de Vilmar


Contracapa do 1o.livro de Vilmar

Para concluir, publico aqui também o email que Vilmar me enviou com muito carinho pelo transcurso do meu 60o. aniversário dia 06.03 :

De: Vilmar Dacampo ;bispovilmar@hotmail.com;
Assunto: Por uma Grande Causa
Para: pastorvanelli@gmail.com

Quero neste dia(06.03.2009) parabenizar um grande canal e instrumento de Deus na minha vida!

O Homem que Deus escolheu para anunciar as boas novas do Evangelho para aquele que era conhecido pelo nome de “Ozzy”.
Quero Parabenizar o homem que se tornou meu amigo e pai na fé, que também  celebrou meu casamento e que dedicou meus dois filhos Estevão e Suzana.

Desejo um Feliz Aniversário aquele que me ungiu para ser Pastor nesta cidade e agora também em outras.

Reconheço e sou grato a Deus pelo seu ministério em minha vida.

Pr. Vaneli que neste aniversário Deus envie o orvalho fresco de Sua graça e unção sobre ti. Que seus anos sejam sempre cheios de Paz e Vida, que sua historia brilhe e seja testemunho vivo de nosso Senhor Salvador Jesus Cristo
Nunca se esqueça que amamos você e que nada poderá nos separar ou destruir-nos, pois temos uma aliança inquebrável
Feliz Aniversário ungido de Deus
Com carinho Vilmar e Sueli
Estevão e Suzana

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

35 ANOS COMPROMETIDOS COM A PALAVRA


No próximo mês de outubro, justamente no dia 12, a Missão Paz e Vida completará 35 anos de um ministério fundamentado e comprometido com a Palavra Deus. A vida cristã tem princípios e precisam ser obedecidos e entre tantos um se destaca de forma denotada, justamente o compromisso com a Palavra de Deus.  Há de se convir, que sempre  o evangelho continuará o mesmo e a imutável Palavra diz que estreita é a porta, mas o caminho também de igual forma. Aplique tempo nisto, cheque o caminho que você tem andado.

Em oração tenho sido impelido de forma muito tocante a um ardente despertar pela Palavra de Deus, fazendo me mesmo enxergar o quanto todos nós precisamos fazer dela o instrumento de maior amor da nossa vida. Amar em aliança, em compromisso com a Palavra porque ela contém revelado tudo o que somos, o que temos e o que podemos. Não há outro caminho que eu possa encontrar descanso para a perene caminhada desta vida se não for na Palavra de Deus, mas isto fala de compromisso, aliança e envolvimento de tal forma que eu a utilize diariamente, tal como preciso de alimento diário para sobreviver. 

Ora, não foi escrito o salmo 119 como mais um hino para o povo de Deus cantar, mas muito mais do que isto, Deus retrata nas escritas do salmista uma descrição maravilhosa da excelência da lei do Senhor, acrescentada de um resultado que converge na extrema felicidade de quem é observante de tão sagrada lei. E é por isto mesmo que o salmista traz expressões tão especiais como as dos versículos 43 a 45 " E de minha boca nãos tires nunca de todo a palavra da verdade, pois me atenho aos teus juízos. Assim observarei de contínuo a tua lei, para sempre e eternamente. E andarei em liberdade:pois busquei os teus preceitos."

Parece ser difícil, mas Deus não deixaria a Sua Palavra para os que a conhecem ter algo impraticável. Este salmo é tão rico, que ao verseja-lo o salmista traz a lume pelo menos dez termos diferentes para mencionar Lei ou Palavra de Deus, e então ele faz superabundar as definições usando "instrução, revelação, preceitos, caminho, ordenanças, decretos, mandamentos, juízos, palavras e veredas. Por que tanta enfase? Porque fala da nova postura agora assumida no novo caminho. Fala que a palavra quando cai no coração gera mudanças e readequações da maneira de viver. Chama nos os seus decretos a um novo estilo de vida, capaz mesmo de fazer nos experimentar a libertação e desfrutarmos da capacidade de testemunhar com intrepidez diante até mesmo de grandes governantes.

Onde quero chegar, deve ser a sua pergunta. Quero chegar onde Deus fez chegar o salmista, a ter um compromisso tal com a palavra, que independente às circunstâncias que a vida possa impor a cada um, haja uma declaração efetiva em cada boca que tem plantado a semente da palavra no coração, de que há prazer nos mandamentos do Senhor, os quais amamos.(Sl 119:47)

Como você foi ganho, como te alcançaram para Jesus, foi numa igreja ou numa evangelismo na, isto não importa. O importante é o gosto pego pela Palavra de tal maneira que ela passa ser não apenas o trivial na vida espiritual, mas o essencial, o item principal, a fonte que mata a sede, o pão que mitiga a fome e luz profusa para o seu caminho. Lembre-se, não importa a forma de como foi pescado o peixe, mas sim, o sal que que despertará o sabor. Assuma hoje o compromisso de ser guiado pela Palavra de Deus e faça a diferença nesta terra. O compromisso com a Palavra só nos fortalece, não importa hora, intempérie ou período, seja noite ou amanhecer.


quarta-feira, 3 de julho de 2019

A FÔRMA QUE FORMA








Em 1976 eu tive a felicidade de participar de uma Convenção de uma igreja evangélica em São Paulo e lembro-me bem do tema daquele evento. Baseado em I Timóteo 4:12b "torna-padrão dos fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza".

Lembro-me ainda da linda flâmula dada aos senhores convencionais, inscritos para os devidos desígnios que lhes seriam conferidos. Era um tempo precioso, os homens e mulheres que ali estavam tinham consciência do compromisso que abracariam doravante quando investidos em um novo ofício(não gosto de cargo e nem função) e que com todo aquele cabedal de conhecimento adquirido nos cursos preparatórios, deveriam ser uma espécie de fôrma que forma.

Ser uma fôrma que forma é ter a habilidade de gerar gente nos mesmos moldes, com as mesmas caraterísticas, com padrão igual e assim dar continuidade à proposta que se pretende como igreja que levanta com base no chamado de Deus, homens que sejam sal fora do saleiro, que deem gosto às coisas insossas deste mundo tão contaminado pelo pecado.

Por favor, entenda, não estou falando em clonagem ou cópia discipular, de ser tudo igual, de falar todo mundo o mesmo jargão. Não, estou falando algo mais sério, de gente que toma para si o chamado de ser "padrão" , isto é, que se torna referência ou modelo.

O apóstolo Paulo ao escrever ao jovem Timóteo tem convicção no seu linguajar trazendo recomendação de tamanha responsabilidade cristã " torna-te padrão". Padrão, modelo na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. E esta recomendação não para em Timóteo mas estende-se a todos os que aspiram o atender a designação do Senhor Jesus de que "somos sal e luz de mundo". E estas coisas me fazem pensar seriamente no porque então, se temos tamanha instrução aliada ao chamado, porque encontramos tanta gente se "conformando com os padrões mundanos", deixando-se moldar pela fôrma errada?

Por exemplo, Provérbios 24:21 diz :" teme ao Senhor, filho meu, e ao rei e não te associes com os revoltosos", e é uma boa palavra para ser cumprida aos que pretendem ser "referenciais", "modelos", "fôrmas" e "padrões". Mas, me causa espanto ver tanto sujeira circulando pela internet à guisa de defesa de direitos ou ainda de cobrança das atitudes negativas dos nossos homens públicos. É gente que tem uma "síndrome de estilingue" que para si tudo e todos são vidraças, alvos perfeitos da sua inquietação e então miram os seus bombardeiros eletrônicos e disparam milhares manifestações midiáticas tecendo críticas e divulgando as falhas dos homens investidos em cargos públicos.

Veja bem, não estou postulando aqui a condição de "advogado do diabo", sem dúvidas tudo o que temos visto pelos homens que deveriam ser exemplos realmente chocam, ou melhor, traem a confiança que lhes foi depositada através do sufrágio universal. Mas eu quero me deter em um fator de suma importância, ou melhor, uma análise mais fria destes males que experimentamos pela práticas dos distintos que deveriam fazer o certo e não fazem.

A questão é:"que direito tem um povo de cobrar os que fazem errado, se este povo, na sua maioria pratica coisas tão erradas quanto? Por exemplo:" estacionar na calçada, na maioria das vezes debaixo das placas proibitivas, subornar ou tenta subornar quando é pego cometendo infração, trocar o voto por caminhão de terra, areia e até por umas merrecas, dirigir falando no celular, trafegar pela direita no acostamento quando de um congestionamento, parar em fila dupla em frente às escolas(pensa que é o filho do prefeito, dono da rua), por mesas e churrasqueiras nas calçadas, pegar atestado médico sem estar doente para faltar ao trabalho, faz "gatonet", tv a cabo, luz, etc, passar escritura no valor abaixo do comprado para pagar menos impostos, estacionar em vagas de deficientes ou idosos, pilotar moto sem capacete, comprar produto pirata com a consciência de que é pirata, emplacar o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA, levar do ambiente de trabalho clipes, canetas, lápis e o que der para levar como se isso não fosse roubo, viajar para o exterior e não falar a verdade quando o fiscal aduaneiro pergunta o que leva ou traz na bagagem.

No mínimo alguém vai dizer, mas este não é o padrão do crente, mas quanta gente que diz professar a palavra que é pego com as mãos na botija. Ou será que estou enganado ou sonhei isto? Se cada crente cumprir o designado de Paulo à Timóteo então estaríamos cheios de razão de fazer as cobranças dos homens públicos desta nação. Há uma necessidade de começarmos urgentemente a por em prática a transformação pessoal, isto é, cada um tornando padrão modelo para que a Nação se transforme.

Queremos políticos honestos, mas muitas vezes passamos o farol vermelho porque não tem guarda nenhum olhando. Será que por ventura, estes políticos que fazemos correntes na internet denunciando suas mazelas são ilustres visitantes de outro planeta, são extra-terrestres? Não, são pessoas oriundas do meio do mesmo povo que pratica todos os absurdos citados acima.

Então Deus tem uma esperança em cada filho Dele que obedeça este texto de Paulo para adotarmos já uma mudança comportamental, começando com um que segue a Palavra. Estamos esperando o Brasil mudar, os políticos mudarem, mas precisamos nos "tornar padrão e exemplo" para que esta mudança aconteça. E ela deve começar dentro de cada um, nas nossas casas, nas nossas atitudes.

Me impressiona sobremaneira o discurso que está aí que é preciso urgente deixar um Brasil melhor para os nossos filhos, quando estamos cometendo um gravíssimo erro de não aplicarmos em atentar para a Palavra de Deus e deixarmos filhos melhores para o Brasil. Filhos educados por princípios de honestidade, dignidade, ética e responsabilidade.

Não adianta a reclamação, o vem para rua, o "panelaço" tentando forçar a mudança via " de fora para dentro ", é preciso começar já uma mudança interior como diz Paulo em Romanos capitulo 12: 2 "Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." Engaje-se nesta receita de Deus para uma Nação melhor, seja uma "fôrma que forma" gente de padrão, que seja exemplo e modelo para o nosso Brasil.

quarta-feira, 19 de junho de 2019

QUEM USA MATERIAL ADEQUADO, OBTÉM MELHOR RESULTADO



De tempos em tempos procuro reorganizar meu arquivo de bagunças, lá tem de tudo, mas por incrível que pareça, setorizado, ou trocando em miúdos, se assim é possível, até minhas bagunças sãos organizadas. Ontem foi a vez dos documentos, papeis antigos, históricos escolares, diplomas, certificados de tudo quanto é curso  realizado, e olha o que eu encontrei, o diploma do 4º.ano, na época, considerado o certificado de conclusão do curso primário, datada de 14 de dezembro de 1962, data em que tive que ir à Itapira para a formatura, já que tinha me mudado para Mogi Guaçu em 08 de dezembro. Como fechei todas as matérias no ultimo bimestre, já estava de férias desde o primeiro dia de dezembro.

O diploma, como a gente chamava, está meio massacrado de tanto que já andou, primeiro emprego, outros estabelecimentos que exigiam a apresentação, até para o curso de admissão ao ginásio, já que naquela época não existia xerox, mas como se percebe pela foto tem algo patenteado no certificado que foi feito para durar muito tempo: o nome do diretor da Escola e o nome do formando, no caso, eu, José Armando Vanelli.


Mas porque estes dois nomes, a data do nascimento e a data do diploma estão tão legíveis? Por que foram escritos com material adequado, neste caso, com tinta nanquim. A tinta nanquim tem propriedades de grande fixação. Ela era na época do diploma, obtida a partir da tinta preta liberada pelos moluscos marinhos da família dos octópodes (polvo e lula), hoje é fabricada a partir de uma mistura de cânfora, gelatina em pó escuro conhecido como pó-de-sapato. 

Tanto faz, em 1962 ou em 2019, a nanquim era e é material adequado, logo em um certificado, diploma, brasão, ou outro local de impressão, o resultado é para longa duração.


Tudo isto escrevi para falar acerca do Salmo 45. E porque por que o salmo 45 fala de algo que não pode ser teórico, antes prático e envolvente. Já ao iniciar o salmo, os autores falam de algo que revela a convicção de um cântico ao Senhor: “ o meu coração transborda de boas palavras”. Lembro me certa vez que visitava uma senhora de idade e ela pôs água no fogo para fazer um café, e de repente eu comecei a ouvir uma espécie de chiado forte, um apito estridente e perguntei o que isto minha irmã? E ela me respondeu toda feliz, a minha chaleira assovia quando a água está fervendo.


Tenho pensado seriamente sobre todo este tempo que tenho pregado a palavra de Deus, que um ministro de Deus não pode se apresentar friamente diante de um publico para trazer a mensagem de Deus, antes tem assumir o púlpito com um coração fervente, pois o que vem de Deus é animador e estimulante.


Como é chamativo o versículo 1: “ ao rei consagro o que compus”. Isto mexe com meu íntimo porque fala diretamente do chamado que temos, todos nós fomos chamados a ter uma vida que harmonize se como uma composição ao Rei, com a inspiração do Espírito Santo.


Se nos prendermos às nossas próprias palavras e ações não encontraremos dignidade para descrever nada sobre o Rei, mas se permitirmos a ajuda do Espírito Santo, a palavra, o testemunho, o anuncio do evangelho será borbulhante e fervente.


Fico pensando na realeza do momento em que os filhos de Corá conceberam este salmo, é provável que ao compor esse cântico destinavam o a uma cerimônia nupcial, porém enfatizam o Rei nos versículos 1 a 9, e o que mais impressiona é eles mantém em todos os 17 versículos a forma didática, isto é, um salmo reflexivo com aplicações pedagógicas, o que me deixa a vontade para afirmar que tudo na na Bíblia está vinculado ao ensino e prática dos princípios divinos.


Agora se não bastasse a aplicação de fazer certo o que pretendiam, os autores usam de uma expressão tremenda “ a minha língua é como a pena de habilidoso escritor”.


Na escola que me formei em 1962, a carteira tinha um buraco e um tinteiro e usava-se uma caneta com pena removível, e tudo o que era escrito era com aquela tinta e caneta. As vezes a tinta vinha misturada, sobrava restos nos vidros de tinta no almoxarifado e o servente misturava tudo e enchia os vidros. Eu chamava a professora e reclamava porque as letras ficavam desiguais na cor. Quando eu chegava de manhã na sala de aula a primeira coisa que eu fazia era ver se o tinteiro tinha tinta suficiente e de uma só cor para as atividades até ao meio dia.


Lembra do titulo da mensagem? Então material adequado, melhor resultado. Por isso pego esta linha de pensamento, será que estamos usando a tinta pura, Deus não quer nada colorido, Ele quer algo definido. Será que o material, quer dizer, a tinta que estamos usando nos dá a condição de sermos como o destro escritor. Ou estamos usando tinta misturada.


Eu participei de um retiro em 2000, e nos intervalos das ministrações ao invés de bola, divertimento, piscina e outros, o tempo que tínhamos era para escrever um salmo ao Senhor. Que coisas tremendas saíram das minhas mãos e companheiros. Porque conseguimos este feito? Por que estávamos usando o material adequado. Usando a tinta pura.


E quando é que a tinta é pura? É quando a nossa vida está cheia da Palavra de Deus então, cheios, transbordantes da Palavra, então a nossa língua vai manifestar palavras de consagração ao Rei.


Toda a leitura da Palavra visa que debaixo da inspiração do Espírito Santo, venhamos a nos encher do material adequado, da tinta pura, para sermos instrumentos da impressão dos projetos divinos àqueles que nos cercam.


Murmuração, reclamação, lamúria, desconfiança, suspeita e até a falta de compreensão aos limites que nos cercam, são sinais visíveis da utilização de material inadequado, ou misto, quer dizer, recebe a Palavra de Deus de bom grado, mas não rejeita as coisas do mundo. De repente as novas cores ditadas pelo sistema, se mesclam à tinta pura da Palavra de Deus. Não podemos aceitar.


Lembro de numa dessas raras entrada que dou no Facebook, ví no perfil de dois amigos, um tipo de enquete sobre o BBB com um tarja em vermelho NÃO VOU ASSISTIR. É lógico que eu curti isto e ainda comentei: “ já está difícil de pagar a taxa absurda de água, não vou querer a rede esgoto na minha sala”, nunca assisti este lixo chamado BBB, nem vou assistir agora. Crente que lê Bíblia e que assiste BBB está misturando tinta de péssima qualidade numa tinta especial .


Os filhos de Corá estavam tão cheios da boa tinta da Palavra que eles tiveram a liberdade para escrever um poema que enobrece aos que são alcançando, repito, o início, a mostra do que vai ser o salmo é traduzido pelo versículo 1 “de boas palavras transborda o meu coração”. É isto, Deus não busca nada de vulgar para alcançar vidas, Ele espera e quer “palavras boas, que se emergem da tinta pura da Palavra de Deus.”


Comumente lemos um texto, apreciamos, mas retemos só por um período, e não buscamos novas porções que nos dê ânimo  e impulso a ser um transmissor da verdade. É preciso estar encharcados desta tinta maravilhosa da Palavra que sempre descreve uma nova perspectiva de vida. Quando estamos cheios do material adequado, o melhor resultado será o fazer coro com o que o sábio escreveu em Provérbios 23: 18 “porque deveras haverá bom futuro; não será frustrada a tua esperança”.


Uma vez ganhei uma caneta Parker, tinteiro, muito boa mesmo, e eu desrosqueava a parte de cima toda vez que a tinta estava acabando e havia uma recomendação no manual da caneta, que para um melhor aproveitamento da pena, deveria ser apertado fortemente a parte interior dotada de uma bisnaguinha de látex apoiada por um dupla haste metálica, até que saísse toda tinta velha, evitando assim vazamentos ou borrões.


Parece linguagem figurada, mas não é, eu penso que muitas vezes a nossa mente está tão cheia de argumentos e resiste a este pressionamento mais forte que gerará uma limpeza adequada tirando as misturas coloridas que querem homogenizar com a tinta da Palavra.


Tirar as tintas erradas gera dores, porque as tintas erradas falam da alma, da nossa vontade, mas a tinta certa fala do Espírito.


Deus e a sua Palavra não podem ocupar um mesmo espaço onde tem coisas contrárias à santidade. E é nesta hora que temos que tomar a atitude ousada do salmista:”Ao rei consagro o que compus”. Isto fala de uma ação de fé. Justamente, fé. E fé deve ser o nosso agir diário. Então quando começamos a agir em fé, um alvoroço vai romper em nosso interior, com uma vantagem, não na alma, mas no espírito.


Quem age na alma não tem fé. E quando enchemos a nossa alma estamos usando tinta errada. Eu sempre vejo nas casas do ramo anuncio de um material que a primeira vista parece ser de qualidade, mas depois que você compra fica difícil. Numa casa que vende material de primeira qualidade, uma galão de 18 litros de tinta custa mais de 200,00 reais, aí na próxima loja em promoção, tinta para interior e exterior 18 litros, 49,90 reais. A diferença você percebe só na 5ª.demão, que ainda não cobriu a tinta velha.


Temos que estar cheios da tinta certa, do material adequado, para que a nossa vida seja uma composição consagrada ao Rei. A nossa língua como pena do habilidoso escritor. Se consagramos podemos escrever uma nova história, sair do marasmo, da mesmice, da mesma liturgia de sempre, mas para isto precisamos usar o material adequado.




Se queremos obter um melhor resultado, precisamos usar o material adequado. Tudo que fizermos tem que deixar a marca, a impressão de que a tinta que usamos era a tinta verdadeira: a Palavra de Deus.


De boas palavras transborde o seu coração, ao Rei consagre o que compôs e a sua língua seja como a pena de um habilidoso escritor. 

sexta-feira, 7 de junho de 2019

A DESOBEDIÊNCIA CEDIDA AO FASCÍNIO DOS DITAMES MUNDANOS



Tenho visto tanta desobediências á princípios básicos, as vezes coisas comuns, mas que mesmo assim dão uma forte conotação à uma inclusão das pessoas no viver atual, ditado por tod, a a propaganda chamada de normal, que insere a pessoa no contexto de "ficar igual, ou participar do sistema ditado pelo príncipe deste mundo", que me faz atirar em profundas reflexões  do porquê a desobediência tem exercido  tanto fascínio sobre o ser o ser humano, inclusive atingindo até os das igreja. 

Parece que é uma espécie de encantamento, mostrando que o homem tirou o foco dos princípios que foram ditados por Deus. No contexto bíblico a primeira conseqüência da quebra das ordenanças divinas originou a morte, quando Adão Eva caem na desobediência, e depois quando da vinda dos preceitos, mandamentos e estatutos do Senhor, é revelado que o desobediente é um ser corrompido onde nele não se vislumbra a sabedoria que deveria ser o lume para os outros homens.

Quando Moisés recebe os princípios divinos, chama o povo e assim declara: Eu lhes ensinei decretos e leis, como me ordenou o Senhor, o meu Deus, para que sejam cumpridos na terra na qual vocês estão entrando para dela tomar posse. Vocês devem obedecer-lhes e cumpri-los, pois assim os outros povos verão a sabedoria e o discernimento de vocês. Quando eles ouvirem todos estes decretos dirão: “De fato esta grande nação é um povo sábio e inteligente”. Dt 4:5-6.

A morte já está patenteada que será o ultimo inimigo a ser vencido, conforme escreveu Paulo em I Coríntios 15: 26, quer dizer, até que Cristo volte para buscar a sua Noiva ainda experimentaremos a conseqüência da desobediência. Mas, pense, tenha bom senso, revelar-se desatinado por opção ou sedução pela prática da desobediência é cair no paraíso. Não quero justificar o erro de Adão e Eva, mas nós temos toda a Lei, os Profetas e a revelação da cultura neo-testamentária como verdadeiros semáforos, alertas e avisos de “pare”, não atravesse, pecado à frente. Então, a desobediência é a quebra de princípios.

Por maior que seja o encantamento, a fascinação que a desobediência possa exercer sobre o homem, os princípios de Deus tem argumentos mais veementes, mais fortes, daí o que não justifica o ceder à desobediência com tanta facilidade. Quem vive e caminha por princípios, pode descansar na hora de pedir socorro, a exemplo de Davi como fez em Salmo 119:173 “Com tua vem ajudar-me, pois escolhi os teus preceitos”(normas, regras, princípios).

Mesmo lendo a Bíblia tem muita gente que não se afina, não distingue e não sabe o que são princípios. Princípios são ensinamentos básicos, verdades práticas que estão na Palavra de Deus e que devem ser aplicados em todas as áreas da nossa vida: familiar, escolar, espiritual, etc. E que treinam a nossa mente para que possamos discernir o bem do mal

Há os que pensam que o que foi escrito na Palavra é só para aquele tempo antigo, para os apóstolos, os judeus. Mas eles são válidos em todo o tempo, em todo lugar, para todas as pessoas de todas as idades e todas as áreas da nossa vida. É por isso que Davi fala no Salmo 119:105: "Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz para os meus caminhos". Os princípios contidos na Palavra de Deus devem ser guardados em nosso coração.

Deus sabendo que não poderíamos vê-lo, fisicamente, por causa do pecado que nos afastou de Sua maravilhosa presença, inspirou dezenas de homens e mulheres, ao longo de séculos, para escrever o manual mais completo de todos os tempos, a Sua própria Palavra escrita, a Bíblia, para que os Seus ensinamentos, os Seus princípios, não fossem esquecidos através dos tempos, mas estivessem sempre vivos diante de nós.

Muitas pessoas estão em busca das suas vitórias, querem a todo custo ser vencedoras, e, no entanto não tem conseguido chegar porque não aprenderam a obedecer por completo. Vitória noventa por cento, é derrota cem por cento. E porque não vencem? Há uma necessidade premente de saber que não existem vitórias sem vencermos primeiro as nossas guerras pessoais, e a não observação dos princípios, é uma batalha renhida.

Quando observamos a narrativa da história de Israel vemos que o povo de Deus sempre vencia as mais ferrenhas lutas, porém, tropeçou numa batalha que parecia impossível perder, como foi o caso de Ai. E porque perdeu uma batalha desta? Por que Acã, um do povo quebrou princípios sagrados. (Josué 7).

Como pode uma derrota no lugar de uma vitória que era certa? Desobediência aos princípios. A fórmula de Deus para a vitória é baseado em Seus princípios divinos, e se assim procedemos temos o o direito de derrubar os gigantes que se levantam contra nossas vidas, se estamos escondidos nos princípios não nos assustaremos com os gigantes que se levantam de todos os lados.

O cenário da vitória está montado, você decide e Deus te prepara para a vitória através dos seus princípios.

Quem estiver andando segundo seus próprios planos, estratégia pessoal, seguindo sua própria vontade, com pose de que já sabe tudo, deixando a soberba tomar conta da vida, andando no próprio caminho traçado, o próximo passo é a queda. Provérbios 16:18 diz que “o orgulho vem antes da destruição, o espírito altivo, antes da queda.”

Vencer requer um quesito fundamental: observância dos princípios de Deus, porque as promessas de Deus não são para desobedientes. Os princípios não podem ser quebrados. Os princípios para serem obedecidos, exigem a atenção ao que o Espírito diz. “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus” (Ap 2:7).

Sabe do que fala isto? Fala de obediência. Ouvir é igual obedecer. ”Se quiserdes e me ouvirdes, então comereis o melhor dessa terra.” (Is 1:19). “Quem há entre vós que a isso dará ouvidos? que atenderá e ouvirá doravante?” (Is 42:23). “Ouvi agora isto, ó povo insensato e sem entendimento, que tendes olhos e não vedes, que tendes ouvidos e não ouvis.” (Jr 5:21).

A Bíblia diz: “Quem tem ouvidos, ouça!” Isto quer dizer: quem ouvir, obedeça.

A vitória se conquista observando os princípios de Deus. Saia do fascínio, do encantamento, diga sim aos princípios de Deus. Seja obediente. Ande em princípios e experimente a vitória.

DESESPERADO, MAS NÃO DESESPERANÇADO!

Às vezes nos encontramos tão desesperados que esquecemos que haverá um final para toda crise, e depois do final, há a grande possibili...